Vampiro – Jorge Mautner

(Soy soldado revolucionario soy de aquellos de caballería
Y me muere mi guapo en combate
Ay hombre, da-me una tequila! Me sigo en la infantería)

Eu uso óculos escuros
Para as minhas lágrimas esconder
Quando você vem para o meu lado,
As lágrimas começam a correr

Sinto aquela coisa no meu peito
Sinto aquela grande confusão
Sei que eu sou um vampiro
Que nunca vai ter paz no coração

Às vezes eu fico pensando
Porque é que eu faço as coisas assim
E a noite de verão ela vai passando,
Com aquele cheiro louco de jasmim

E fico embriagado de você
E fico embriagado de paixão
No meu corpo o sangue já não corre,
Não, não, corre fogo e lava de vulcão

Eu fiz uma canção cantando
Todo o amor que eu tinha por você
Você ficava escutando impassível;
Eu cantando do teu lado a morrer

Ainda teve a cara de pau
De dizer naquele tom tão educado
«oh, pero que letra tan hermosa,
Que habla de un corazón apasionado!»

Por isso é que eu sou um vampiro
E com meu cavalo negro eu apronto
E vou sugando o sangue dos meninos
E das meninas que eu encontro

Por isso é bom não se aproximar
Muito perto dos meus olhos
Senão eu te dou uma mordida
Que deixa na tua carne aquela ferida

E na minha boca eu sinto
A saliva que já secou
De tanto esperar aquele beijo,
Aquele beijo que nunca chegou

Você é uma loucura em minha vida
Você é uma navalha para os meus olhos
Você é o estandarte da agonia
Que tem a lua e o sol do meio-dia.

Jorge Mautner

Jorge Mautner lançou “Vampiro” em 1989.

La madrague – Brigitte Bardot

Sur la plage abandonnée
Coquillage et crustacés
Qui l’eût cru déplorent la perte de l’été
Qui depuis s’en est allé
On a rangé les vacances
Dans des valises en carton
Et c’est triste quand on pense à la saison
Du soleil et des chansons

Pourtant je sais bien l’année prochaine
Tout refleurira nous reviendrons
Mais en attendant je suis en peine
De quitter la mer et ma maison

Le mistral va s’habituer
A courir sans les voiliers
Et c’est dans ma chevelure ébouriffée
Qu’il va le plus me manquer
Le soleil mon grand copain
Ne me brulera que de loin
Croyant que nous sommes ensemble un peu fâchés
D’être tous deux séparés

Le train m’emmènera vers l’automne
Retrouver la ville sous la pluie
Mon chagrin ne sera pour personne
Je le garderai comme un ami

Mais aux premiers jours d’été
Tous les ennuis oubliés
Nous reviendrons faire la fête aux crustacés
De la plage ensoleillée
De la plage ensoleillée
De la plage ensoleillée

……………………………

Na praia abandonada
Moluscos e crustáceos
Quem teria acreditado que lamentariam a perda de verão
Que desde que se foi
Guardaram as férias
Em malas de papelão
E é triste quando se pensa na estação
Do sol e das canções

Entretanto eu sei que no próximo ano
Tudo reflorescerá e nós voltaremos
Mas enquanto espero, eu tenho pena
De abandonar o mar e minha casa

O mistral vai se acostumar
A correr sem os veleiros
E é da minha cabeleira desgrenhada
Que ele vai sentir mais falta
O sol, meu grande amigo
Só vai me bronzear de longe
Acreditando que estamos juntos, um pouco zangados
De estar todos dois separados

O trem me levará em direção ao outono
Encontrar novamente a cidade debaixo de chuva
Minha tristeza não será por ninguém
Eu vou guardá-lo como um amigo

Mas aos primeiros dias de verão
Todos os aborrecimentos esquecidos
Nós voltaremos festejar com os mariscos
Da praia ensolarada
Da praia ensolarada
Da praia ensolarada

Se a Babilônia não cair – BaianaSystem

Se a babilônia não cair, se o vento não soprar
Se a pedra não ruir, e o sofrimento perdurar
Se a babilônia não cair, se o vento não soprar
Se a pedra não ruir, e o sofrimento perdurar

Então vá, a babilônia eu sei que vai cair
Vá, não sei mais o que estou fazendo aqui
Vá, oh Jah me leve que eu quero fugir
Vá, Direto pros estúdios

Adio o cansaço faço como o rei do cangaço
Feito de carne e osso mas com punhos de aço
Faço parte dos que tomam iniciativa
E se tentar me destruir utilizo da minha esquiva

Então vá, a babilônia eu sei que vai cair
Vá, oh Jah me leve que eu quero fugir
Vá, não sei mais o que estou fazendo aqui
Vá, Direto pros estúdios

Se a babilônia não cair, se o vento não soprar
[Lyrics from: https:/lyrics.az/baianasystem/baianasystem/jah-jah-revolta.html]
Se a pedra não ruir, e o sofrimento perdurar
Se a babilônia não cair, se o vento não soprar
Se a pedra não ruir, e o sofrimento perdurar

Encontrar a pala no porta-mala do Opala
A cara do polícia que cobiça é um no padre outro na missa
Enquanto isso o compromisso omisso é o back no bolso
Jogo lenço no bom senso, o ragga logo fica tenso
Por mais que me convença, nunca muda o que penso
O ofício do momento é me sair com talento
Afasta onda nefasta e me encontre na paz do rasta man
Onda nefasta e me encontre
Afasta onda nefasta e me encontre na paz do rasta man
Onda nefasta e me encontre
Tudo bem quem tem
Tudo bem não tem
Tudo bem nao tem dinheiro
Mas sou da tribo do herdeiro dos filhos de Jah
Rastaman vibration
Rastaman vibration

Tente outra vez – Raul Seixas

Veja!
Não diga que a canção
Está perdida
Tenha fé em Deus
Tenha fé na vida
Tente outra vez!…

Beba! (Beba!)
Pois a água viva
Ainda tá na fonte
(Tente outra vez!)
Você tem dois pés
Para cruzar a ponte
Nada acabou!
Não! Não! Não!…

Oh! Oh! Oh! Oh!
Tente!
Levante sua mão sedenta
E recomece a andar
Não pense
Que a cabeça agüenta
Se você parar
Não! Não! Não!
Não! Não! Não!…

Há uma voz que canta
Uma voz que dança
Uma voz que gira
(Gira!)
Bailando no ar
Uh! Uh! Uh!…

Queira! (Queira!)
Basta ser sincero
E desejar profundo
Você será capaz
De sacudir o mundo
Vai!
Tente outra vez!
Humrum!…

Tente! (Tente!)
E não diga
Que a vitória está perdida
Se é de batalhas
Que se vive a vida
Han!
Tente outra vez!…

Raul Seixas
Raul Seixas

Video games – Lana del Rey

Swinging in the backyard
Pull up in your fast car
Whistling my name

Open up a beer
And you take it over here
And play a video game

I’m in his favorite sun dress
Watching me get undressed
Take that body downtown

I say you the bestest
Lean in for a big kiss
Put his favorite perfume on

Go play a video game

It’s you, it’s you, it’s all for you
Everything I do
I tell you all the time
Heaven is a place on earth with you
Tell me all the things you want to do
I heard that you like the bad girls
Honey, is that true?
It’s better than I ever even knew
They say that the world was built for two
Only worth living if somebody is loving you
Baby now you do

Singing in the old bars
Swinging with the old stars
Living for the fame

Kissing in the blue dark
Playing pool and wild darts
Video games

He holds me in his big arms
Drunk and I am seeing stars
This is all I think of

Watching all our friends fall
In and out of Old Paul’s
This is my idea of fun
Playing video games

It’s you, it’s you, it’s all for you
Everything I do
I tell you all the time
Heaven is a place on earth with you
Tell me all the things you want to do
I heard that you like the bad girls
Honey, is that true?
It’s better than I ever even knew
They say that the world was built for two
Only worth living if somebody is loving you
Baby now you do

(Now you do)

It’s you, it’s you, it’s all for you
Everything I do
I tell you all the time
Heaven is a place on earth with you
Tell me all the things you want to do
I heard that you like the bad girls
Honey, is that true?
It’s better than I ever even knew
They say that the world was built for two
Only worth living if somebody is loving you
Baby now you do

(now you do, now you do)
now you do
(now you do, now you do, now you do)

Nessun grado di separazione – Francesca Michielin

Nessun Grado di Separazione

È la prima volta che mi capita
Prima mi chiudevo in una scatola
Sempre un po’ distante dalle cose della vita
Perché così profondamente non l’avevo mai sentita
E poi ho sentito un’emozione accendersi veloce
E farsi strada nel mio petto senza spegnere la voce
E non sentire più tensione solo vita dentro di me
Nessun grado di separazione
Nessun tipo di esitazione
Non c’è più nessuna divisione
Fra di noi
Siamo una sola direzione in questo universo
Che si muove
Non c’è nessun grado di separazione
Davo meno spazio al cuore e più alla mente
Sempre un passo indietro
E l’anima in allerta
E guardavo il mondo da una porta
Mai completamente aperta
E non da vicino
E no, non c’è alcuna esitazione
Finalmente dentro di me

There is no degree of separation
There is no degree of hesitation
There is no degree of space between us
live in love
We are stars aligned together
dancing through the sky, we are shining

Nessun grado di separazione
Nessun grado di separazione
in questo universo che si muove
E poi ho sentito un’emozione accendersi veloce
E farsi strada nel mio petto senza spegnere la voce

Piano in Taksim Square – Davide Martello

Davide Martello (01 de novembro de 1981, Lörrach) é um pianista alemão de raízes sicilianas que trabalha como músico de rua, carregando seu piano (construído por ele próprio) com uma bicicleta. Em 2014 ele já havia se apresentado em 32 países. Em dezembro de 2012 fez um concerto em um acampamento do exército alemão no Afeganistão. Em junho de 2013 apresentou-se durante os protestos na Turquia, na praça Taksim, em Istambul. Em Donetsk foi tido como o “anjo da paz ao piano”.

Tha Mo Ghaol Air Aird A’ Chuain – Julie Fowlis

Tha Mo Ghaol Air Aird A’ Chuain – Julie Fowlis
Julie_Fowlis Julie Fowlis (1979), cantora e multi-instrumentista escocesa que canta especialmente em gaélico.


Feasgar ciùin an tùs a’ Chèitein
[Em uma noite tranquila do início de maio]
Nuair bha ‘n ialtag anns na speuran
[Quando os morcegos estavam nos céus]
Chualaim rìbhinn òg ‘s i deurach
[Ouvi uma jovem donzela chorosa]
‘Seinn fo sgàil nan geugan uain’
[Cantando na sombra de ramos verdes]
Bha a’ ghrian ‘sa chuan gu sìoladh
[O sol estava se pondo sobre o mar]
‘S reult cha d’ èirich anns an iarmailt
[E ainda não havia estrelas enfeitando o céu]
Nuair a sheinn an òigh gu cianail
[Enquanto a jovem cantava tristemente]
“Tha mo ghaol air àird a’ chuain”
[“Meu amor está no alto-mar”]

Thòisich dealt na h-oidhch’ ri tùirling
[O orvalho da noite começou a cair]
‘S lùb am braon gu caoin na flùrain
[Cada flor submetendo-se docemente às gotículas]
Shèid a’ ghaoth ‘na h-oiteig chùbhraidh
[O vento soprando uma brisa perfumada]
Beatha ‘s ùrachd do gach cluan
[Trazendo vida e renovando os campos]
Ghleus an nighneag fonn a h-òrain
[A jovem cantou sua cantiga melodiosa]
Sèimh is ciùin mar dhriùchd an Òg-mhìos
[Calma e tranquila como o orvalho de junho]
‘S bha an t-sèisd seo ‘g èirigh ‘n còmhnaidh
[E este refrão era constantemente repetido:]
“Tha mo ghaol air àird a’ chuain”
[“Meu amor está no alto-mar”]

Chiar an latha is dheàrrs’ na reultan
[O dia escureceu e as estrelas brilharam]
Sheòl an rè measg neul nan speuran
[Acertando seu curso entre as nuvens]
Shuidh an òigh, bha ‘bròn ‘ga lèireadh
[A jovem sentou, sobrecarregada de tristezas]
‘S cha robh dèigh air tàmh no suain
[Seu canto não poderia ter sido mais suave]
Theann mi faisg air reult nan òg-bhean
[Eu me aproximei da donzela]
Sheinn mu ‘gaol air chuan ‘bha seòladh
[Cantando sobre seu amor singrando o mar]
O bu bhinn a caoidhrean brònach
[Oh doce é seu triste lamento]
“Tha mo ghaol air àird a’ chuain”
[“Meu amor está no alto-mar”]

Rinn an ceòl le deòin mo thàladh
[A música me atraiu]
Dlùth do rìbinn donn nam blàth-shul
[Para próximo da donzela de cabelos castanhos e olhos quentes]
‘S i ag ùrnaigh ris an Àrd-Rìgh
[E ela orou ao Rei dos Céus]
“Dìon mo ghràdh ‘th’ air àird a’ chuain”
[Proteja o meu amor no alto-mar]
Bha a cridh’ le gaol gu sgàineadh
[Seu coração estava se despedaçando de amor]
Nuair a ghlac mi fhèin air làimh i
[Quando eu a tomei pelas mãos]
“Siab do dheòir, do ghaol tha sàbhailt
[Enxugue seus olhos, seu amor está a salvo]
Thill mi slàn bhàrr àird a’ chuain”
[Ele voltou para você do alto-mar]
(versão minha a partir do inglês)

Guantanamera – Compay Segundo

Compay Segundo (Máximo Francisco Repilado Muñoz, Siboney, Santiago de Cuba, 18 de novembro de 1907 – Havana, 13 de julho de 2003), cantor, violonista, clarinetista, tresero e compositor. Guantanamera é uma das mais célebres canções da música cubana, de autoria de José Martí e música de Josito Fernandez.


Guantanamera, guajira guantanamera
Guantanamera, guajira guantanamera
(repetido várias vezes)
Yo soy un hombre sincero
De donde crece la palma
Y antes de morir yo quiero
Echar mis versos del alma

Guantanamera…

No me pongan en lo oscuro
A morir como un traidor
Yo soy bueno y como bueno
Moriré de cara al sol

Guantanamera…

Con los pobres de la tierra
Quiero yo mi suerte echar
El arroyo de la sierra
Me complace más que el mar

Guantanamera…

Tiene el leopardo un abrigo
En su monte seco y pardo
Yo tengo más que el leopardo
Porque tengo un buen amigo.

Guantanamera, guajira guantanamera
Guantanamera, guajira guantanamera
(repetido várias vezes)