E aí, meu irmão, cadê você? – Joel e Ethan Coen

“‘E aí, meu irmão, cadê você’ (Oh Brother, Where Art Thou, EUA, 2000) narra Ulysses, um almofadinha que foge da cadeia com dois colegas a quem está acorrentado, tentando cruzar o país para encontrar e desenterrar um tesouro cuja localização Ulysses garante saber. A fuga é repleta de encontros impagáveis: um blueman negro que vendeu a alma ao Diabo para tocar violão melhor ; um gângster violento; um caixeiro viajante caolho, etc, etc.”

“Trata-se de uma viagem divertida ao centro da alma do trovador norte-americano retratada com perfeição até mesmo no ritmo lânguido e indolente da direção. O filme, todo criado em tons marrons e verdes, foi digitalizado e teve o excesso de cores removido digitalmente, de forma a ganhar as tonalidades de uma plantação de milho.” Texto em Cinereporter . Elenco: George Clooney, John Turturro, Tim Blake Nelson, Charles Durning, John Goodman, Michael Badalucco, Holly Hunter, Chris Thomas King, Wayne Duvall, Daniel von Bargen, Stephen Root.

Em busca do cálice sagrado – Monty Python

‘Em busca do cálice sagrado’ trata da trajetória do Rei Arthur pela Grã-Bretanha à procura de cavaleiros para se aliarem a ele e defenderem Camelot dos ataques dos saxões. As piadas começam antes do início do filme, já nos créditos. Quando o filme, de fato, começa, o Rei Arthur e seu fiel escudeiro Patsy chegam a um castelo a cavalo. Mas em nenhum momento do filme há um cavalo de verdade: eles apenas fingem cavalgar batendo em côcos, imitando o som de uma cavalaria.” E por aí vai … Elenco: Graham Chapman, John Cleese, Eric Idle.

Monty Python

O grupo Monty Python, composto por Eric Idle, Terry Gilliam, Graham Chapman, John Cleese, Micheal Palin e Terry Jones, começou em 1969 com um programa na televisão britânica chamado Monty Python’s Flying Circus. E a partir daí, não pararam mais: vivaram shows, filmes, livros, jogos de computador, revolucionando o que até então compunha o gênero comédia. (texto extraído de ‘Ambrosia’)

Monty Python

Attack the gas station – Sang-Jin Kim

“Cinema asiático. Quatro amigos delinquentes decidem assaltar um posto de gasolina. Feito o roubo acabam sentindo-se entediados e tentam repetir a façanha. Mas desta vez não encontram dinheiro suficiente, sequestram o dono do posto e  empregados e resolvem tomar conta do negócio.

À medida que a noite vai avançando, prendem mais reféns e acabam entrando em confronto com “gangs” rivais. Resistindo a todos os desafios os rapazes continuam a desenvolver seu negócio de forma pouco ortodoxa. ”

O texto acima, aqui um pouco alterado, está em shinobi-myasianmovies.blogspot.com.br/2009/08/attack-gas-stationjuyuso-seubgyuksageun.html

A última noite de Bóris Grushenko – Woody Allen

‘A Última Noite de Bóris Grushenko’ (Love and Death) têm seqüências de imensa beleza plástica, sacadas inteligentíssimas e uma quantidade absurda de diálogos maravilhosos. Algumas piadas são completamente infames – mas a maioria é simplesmente hilariante.

O título remete à ‘Guerra e Paz’, de Tolstói. Já o nome do protagonista diz respeito a Fiodor Dostoiévski – Grushenka é a principal personagem feminina de Os Irmãos Karamázov. Há um diálogo que menciona diversos romances de Dostoévski, inclusive Crime e Castigo. De Os Irmãos Karamázov Woody Allen tirou toda a base da discussão do livro: se Deus não existe, então tudo é permitido. Bóris e sua amada Sonja discutem longa, profusamente sobre isso, ao longo de todo o filme. De Guerra e Paz, o cineasta tirou, além da paráfrase do título original de seu filme, o contexto histórico, a época em que a ação se passa – a Rússia imperial do início do século XIX, a invasão da Rússia pelos exércitos de Napoleão”. Texto extraído de ’50 anos de filmes’IMDB.